Publicidade

16 de Dezembro de 2013 - 13:47

Por AE - Agencia Estado

Compartilhar
 

O posicionamento de mísseis de curto alcance no oeste russo não viola nenhum acordo internacional, assegurou nesta segunda-feira o Ministério da Defesa da Rússia.

O lacônico comunicado ministerial, distribuído por diversas agências de notícias russas, é uma resposta a reportagem do jornal alemão Bild de acordo com a qual a Rússia teria posicionado mísseis Iskander em Kaliningrado, enclave no Mar Báltico onde se situa o ponto mais ocidental do território russo.

Geograficamente separado do restante da Rússia, o enclave de Kaliningrado faz fronteira com a Polônia e com a Lituânia, dois países que integram a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e a União Europeia (UE).

Igor Konashenkov, porta-voz do Ministério da Defesa, disse que não entraria em detalhes sobre o posicionamento dos mísseis, mas observou que "as áreas de localização específicas do sistema de mísseis Iskander no Distrito Militar Ocidental não violam acordos internacionais".

O Distrito Militar Ocidental abrange a maior parte das províncias das regiões oeste e noroeste da Rússia, inclusive Kaliningrado.

A Lituânia manifestou "preocupação" com a notícia. "Estou preocupado com sinais de que a Rússia estaria prestes a modernizar sistemas de mísseis posicionados em Kaliningrado", declarou ministro lituano da Defesa, Juozas Olekas.

Durante anos, a Rússia ameaçou posicionar mísseis Iskander em Kaliningrado em reação ao escudo antimísseis da Otan em áreas próximas de suas fronteiras.

Capazes de transportar explosivos convencionais e ogivas nucleares, os mísseis Iskander têm alcance de 500 quilômetros, são bastante precisos e viajam em velocidade hipersônica, o que torna muito difícil sua interceptação. Esses mísseis foram usados pela primeira vez em 2008, na guerra entre Geórgia e Rússia. Fonte: Associated Press.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Rio vai conseguir controlar a violência até a Copa do Mundo?