Publicidade

31 de Dezembro de 2013 - 10:00

Por Fernando Faro - Agencia Estado

Compartilhar
 

O presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio, garante que não tinha como segurar Aloísio. A proposta tentadora do futebol chinês fez com que o jogador optasse por mudar de ares, mesmo tendo sido considerado o melhor atacante do elenco na temporada e acabado o ano em alta no clube.

Segundo Juvenal, cláusulas contratuais fizeram com que o São Paulo não tivesse como segurar o atleta, a menos que desembolsasse um caminhão de dinheiro. "Reclama-se da venda do Aloísio, mas a situação não era fácil. No contrato dizia que se alguém fizesse uma proposta de 5 milhões de euros (R$ 16,2 milhões), tínhamos duas opções: ou pagar esse valor à vista ou deixá-lo ir, mas com a possibilidade de comprar 30% além dos 20% a que tínhamos direito nesse primeiro contrato. Foi o que fizemos", contou o presidente.

Aloísio aceitou a proposta do Shendong Luneng (time que será dirigido por Cuca, ex-técnico do Atlético-MG) e vai receber um salário de aproximadamente R$ 350 mil por mês, bem mais do que ganhava no Morumbi. O São Paulo deve ficar com R$ 8 milhões na negociação, sem descontar o valor da compra de parte dos direitos. "Não tínhamos como pagar aquele dinheiro à vista", disse Juvenal, que não desistiu de contratar um reforço de peso para o ataque são-paulino. O nome dos sonhos é o chileno Vargas, que disputou o Brasileirão pelo Grêmio e pertence ao Napoli, da Itália.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com o TJ, que definiu que táxi não pode ser repassado como herança?