Publicidade

06 de Dezembro de 2013 - 17:19

Por AE - Agencia Estado

Compartilhar
 

O técnico Alejandro Sabella não escondeu que o sorteio dos grupos da Copa do Mundo de 2014, realizado nesta sexta-feira, na Costa do Sauipe (BA), foi "positivo" para a seleção argentina, que caiu no Grupo F ao lado de Nigéria, Irã e Bósnia-Herzegovina. Além de ter pela frente rivais de pequeno peso no cenário do futebol mundial, o treinador destacou que os argentinos farão deslocamentos curtos entre um jogo e outro - iniciará o Mundial contra os bósnios no Maracanã, no Rio, para depois encarar os iranianos em Belo Horizonte e os nigerianos em Porto Alegre.

"Foi um sorteio, em linhas gerais, positivo porque não ficamos em nenhum 'grupo da morte'. Jogar no Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre, sem muitos traslados, também é algo para ponderar", disse o treinador.

Sabella, entretanto, evitou a euforia ao lembrar que primeiro a Argentina precisa confirmar o seu favoritismo nesta chave, destacando a importância também de conquistar a primeira posição desta chave. "Primeiro temos de jogar, tratar de classificar, sermos primeiros e depois irmos jogo a jogo. A Bósnia nós conhecemos porque jogamos contra eles em novembro, com a Nigéria nós jogamos também e sabemos de sua capacidade física e atlética. Conheço pouco o Irã", afirmou.

O treinador também enfatizou que é importante os argentinos não ficarem focados apenas no Brasil - temido pela sua força, tradição e por jogar em casa - na sua luta pelo título. "Nos últimos Mundiais fomos eliminados por outras seleções, como Alemanha e Holanda, e não pelo Brasil. Há outras potências", frisou.

O fato de poder estrear na Copa no grande palco do futebol brasileiro também foi festejado por Sabella. "É lindo estrear no Maracanã, um lugar com história e que é bom para começar a escrever história neste Mundial", disse o comandante.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você tem percebido impacto positivo das operações policiais nas ruas da cidade?