Publicidade

03 de Janeiro de 2014 - 19:33

Por Jamil Chade - Agencia Estado

Compartilhar
 

Michael Schumacher estaria ligeiramente melhor, mas corre o sério risco de ficar totalmente paralisado. Essa é a informação dada pelo ex-piloto francês Phillipe Streiff, depois de visitar nesta sexta-feira a família e os médicos do alemão no hospital em Grenoble, na França, onde o maior campeão da história da Fórmula 1 está internado desde domingo, quando sofreu acidente de esqui.

"Eu tenho notícias. Michael está um pouco melhor. Mas ninguém sabe dizer como irá sair dessa ainda", disse Streiff, que sofreu um acidente em 1989 que o obrigou a usar cadeiras de rodas desde então. Ele contou que conversou com o médico de Schumacher, Gerard Saillant. "Ele me disse que ainda não sabe como a história terminará. O sangramento continua em ambos os lados do cérebro e poderia afetar a fala", revelou.

"Eles fazem exames todos os dias para ver como os edemas estão sendo absorvidos. Quanto mais rápido eles forem absorvidos, menos ele ficará paralisado", explicou Streiff. "Mas se a hemorragia continua por muito tempo, ele corre o risco de ficar paralisado completamente", insistiu o ex-piloto de 58 anos.

Schumacher levava uma câmera em seu capacete no momento do acidente no último domingo, ocorrido numa pista de esqui nos Alpes franceses. O aparelho já está com a Justiça, que se nega a informar se ele estava ligado no momento da queda. Se as imagens existirem de fato, podem ser fundamentais para desvendar o que de fato ocorreu na estação em Meribel, na França.

Procuradores franceses também indicaram que coletaram depoimentos do filho de Schumacher que estava com ele no momento do acidente. Outro garoto que estava esquiando com o grupo também já foi ouvido pelas autoridades.

Nesta sexta-feira, Schumacher completou 45 anos. Ele está internado em coma induzido num hospital de Grenoble, cidade que fica a 130 quilômetros do local do acidente. Nos últimos dois dias, os médicos não divulgaram informações sobre o estado de saúde do ex-piloto, sob o pretexto de que não existem novidades na recuperação.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você confia nas pesquisas eleitorais?