Publicidade

11 de Março de 2014 - 01:50

Por Beatriz Bulla e Carla Araújo - Agencia Estado

Compartilhar
 

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta segunda-feira, 10, que sabe que seu governo precisa investir mais em educação para chegar a um nível ideal, mas ponderou que "temos tudo para fazer isso ainda nessa geração". Ela discursou no evento do 34º aniversário do PT, na capital paulista.

Falando para uma plateia de militantes, a presidente afirmou que com certeza eles já haviam lido nos jornais, "que agora falam muito", sobre a reforma urbana". "Nenhum governo fez mais sobre esse tema do que nosso governo", garantiu.

A presidente exaltou os investimentos dos governos petistas e disse que "nunca se investiu tanto em abastecimento em água, esgoto e drenagem urbana". Repetindo o "bordão", Dilma disse ainda que "nunca se investiu tanto em mobilidade, transporte urbano de massas". "Investimos pela primeira vez nesse País em nove cidades em metrôs, em dez cidades em VLTs (Veículos Leves sobre Trilhos)", afirmou.

Citando o programa Mais Médicos, Dilma afirmou que o governo federal está realizando "mudanças estruturais emergenciais na oferta de serviços públicos".

Sem citar nomes de petistas presos e a condenação no processo do mensalão, a presidente Dilma Rousseff exaltou o apoio da militância petista ao membros do partido. Dilma encerrou seu discurso agradecendo o apoio de petistas. "A militância é solidária especialmente com os companheiros que mais precisam dela", afirmou.

Antes de Dilma, o presidente do PT, Rui Falcão, também fez menções aos condenados do mensalão, não citou nomes, mas fez duras críticas à atuação do Supremo Tribunal Federal (STF) na Ação Penal 470. "Somos obrigados a assistir ao absurdo de ver membros da mais alta corte do País que prejulgam insultando", disse. "Uma corte não é um partido político."

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Governo federal deve refinanciar as dívidas dos clubes de futebol?