Publicidade

16 de Dezembro de 2013 - 09:51

Por Fabiana Cambricoli - Agencia Estado

Compartilhar
 

Após acabar em tumulto nos shoppings de Itaquera e de Guarulhos, encontros de jovens marcados pela internet, apelidados de "rolezinhos", já interferem no movimento de alguns centros comerciais.

Embora os corredores e a praça de alimentação estivessem cheios, clientes também consideraram o movimento anormal para um período próximo do Natal. "Esperava que estivesse mais cheio, mas acho que o pessoal está com receio. Chamei umas amigas para fazer compras de Natal e elas disseram que não viriam por medo de arrastão", afirmou a analista financeira Simone Borges, de 37 anos.

Em centros de compras onde não ocorreram os "rolezinhos", como o Shopping Center Norte, os lojistas comemoravam o movimento. "Desde ontem, o shopping está travado de tanta gente. Acho que muitos clientes da zona leste e de Guarulhos aproveitaram que o acesso é fácil e preferiram vir para cá. Ontem (anteontem), vendemos 1,2 mil pares de sapatos. A média para um sábado de dezembro é de 1 mil", diz Maicon Lima Silva, de 31 anos, gerente de uma loja do Center Norte.

Sábado, 23 jovens foram detidos no Internacional Shopping Guarulhos, após a PM receber chamados de lojistas com denúncias de que o grupo estava fazendo um arrastão. Como nenhuma vítima registrou queixa e nenhum objeto roubado foi encontrado com os jovens, eles foram liberados na madrugada de ontem.

Um encontro marcado para o próximo sábado no local foi cancelado no Facebook. "Prefiro não conhecer ninguém do que ficar até as 4h20 da manhã dando depoimento na delegacia, ser tratado como ladrão por causa de vândalos que vão para roubar e tumultuar", disse, na rede social, o organizador do evento, Jefferson Luís, de 20 anos. No dia 7, um "rolezinho" levou 6 mil ao Shopping Metrô Itaquera e terminou em confusão.

As informações são do jornal

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você pretende substituir o ovo de Páscoa por outros produtos em função do preço?