Publicidade

16 de Janeiro de 2014 - 15:53

Por AE - Agencia Estado

Compartilhar
 

Depois de alcançar o melhor resultado de sua história em uma Copa do Mundo em 2010, ao chegar às quartas de final do torneio disputado na África do Sul, a seleção de Gana tenta superar as expectativas nesse ano, no Brasil. E no que depender do técnico da equipe, James Kwesi Appiah, o objetivo será alcançado.

O treinador exaltou a geração que virá disputar o Mundial no País e prometeu "surpreender o mundo". "Eu acredito que temos jogadores muito bons, e, como eu disse, qualquer boa equipe é uma equipe que possui um bom banco. Eu acredito que podemos surpreender o mundo", declarou, em entrevista ao site da Fifa.

Appiah espera que com a campanha no Brasil o país supere o trauma de 2010, quando perdeu para o Uruguai nas quartas de final. Na ocasião, o time africano empatava até o fim da prorrogação quando teve a chance de vencer, mas Asamoah Gyan perdeu pênalti nos acréscimos. Na disputa de pênaltis, Mensah e Adiyiah perderam e Gana acabou eliminada da competição.

"É algo que eu sei que a maioria dos ganeses não gosta de reviver porque quebrou seus corações. Mas precisamos seguir em frente. Nosso capitão hoje (Gyan) não converteu aquele pênalti, mas isso acontece, poderia ter acontecido com qualquer um. Se tivéssemos vencido aquele jogo, poderíamos ter conquistado a Copa do Mundo. Mas estamos tentando colocar isso para trás e mover em frente", disse Appiah.

Apesar de tentar esquecer a eliminação, o treinador disse que a seleção tirou lições positivas daquele dia. "Após a Copa de 2010, aprendi que se temos bons jogadores e damos a eles confiança, coragem, automaticamente eles crescem em cada ocasião. Acredito na qualidade dos nossos jogadores no momento, o mais importante é como conseguimos controlar a cabeça deles, como forçá-los a darem o máximo para defender a bandeira de Gana."

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que alertas em cardápios e panfletos de festas sobre os riscos de dirigir sob efeito de álcool contribuem para reduzir o consumo de bebidas por motoristas?