Publicidade

12 de Dezembro de 2013 - 09:25

Por Herton Escobar - Agencia Estado

Compartilhar
 

Em termos astronômicos, a vida na Terra aparentemente existe por um triz. De acordo com um estudo publicado na edição desta quarta-feira, 11, da revista

O estudo, liderado por pesquisadores do Instituto Pierre Simon Laplace, em Paris, apresenta um modelo climático de efeito estufa que tem implicações diretas para a definição da "zona habitável" - ou seja, da distância mínima e máxima que um planeta pode estar da própria estrela para ter água líquida na superfície, que é um pré-requisito para a existência de vida como a conhecemos na Terra. A definição desses limites, por sua vez, tem implicações diretas para a busca de outros planetas habitáveis no universo.

Cientistas sabem que a Terra está dentro dessa zona habitável - obviamente -, mas as certezas acabam por aí. Há quem diga que a faixa de habitabilidade começa a 50% da distância entre o Sol e a Terra, enquanto outros dizem que começa a 99%, dependendo dos critérios usados para defini-la.

O novo estudo diz que começa a 95% dessa distância, ou cerca de 142 milhões de quilômetros do Sol. Mais perto do que isso e o excesso de radiação desencadearia um processo irreversível de intensificação do efeito estufa, em que todos os oceanos evaporariam e o planeta se tornaria inabitável.

Se os autores de Paris estiverem corretos, o número de planetas habitáveis na Via-Láctea pode ser metade do que o estimado recentemente. Ainda assim, seriam mais de 10 bilhões. As informações são do jornal

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você é a favor da proibição de rodeios em JF, conforme prevê projeto em tramitação na Câmara?