Publicidade

23 de Dezembro de 2013 - 15:31

Por Eduardo Rodrigues e Adriana Fernandes - Agencia Estado

Compartilhar
 

O estoque da dívida pública federal (DPF) subiu 2,32% em novembro ante outubro (o equivalente a R$ 46,924 bilhões), atingindo R$ 2,069 trilhões. Em outubro, o estoque estava em R$ 2,022 trilhões. De acordo com dados divulgados nesta segunda-feira pelo Tesouro Nacional, houve uma emissão líquida no mês passado de R$ 22,729 bilhões. A apropriação de juros no mês foi de R$ 24,195 bilhões.

No acumulado de janeiro a novembro, houve um resgate líquido de R$ 134,729 bilhões. Mesmo assim, há um aumento no estoque de R$ 61,457 bilhões em relação ao fim do ano passado. Isso porque, no ano, a apropriação de juros soma R$ 196,186 bilhões.

Os dados mostram que a Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) subiu 1,91% no mês passado, atingindo R$ 1,972 trilhão. Já a Dívida Pública Federal externa (DPFe) cresceu 0,41% ante outubro, fechando o mês de novembro em R$ 97,220 bilhões.

O Tesouro informou que a parcela de títulos prefixados na DPF subiu de 40,74% em outubro para 41,32% em novembro. Os papéis atrelados à Selic diminuíram a fatia, de 19,95% para 19,66%. Os títulos remunerados pela inflação também caíram, para 34,43% do estoque da DPF em novembro, ante 35,04% em outubro. Os papéis cambiais aumentaram a participação na DPF de 4,27% em outubro para 4,59% no mês passado.

A parcela da Dívida Pública Federal a vencer em 12 meses subiu de 24,64% em outubro para 24,69% em novembro, segundo o Tesouro Nacional. O prazo médio da dívida caiu de 4,32 anos em outubro para 4,27 anos em novembro. O custo médio acumulado em 12 meses da DPF se ampliou de 10,93% ao ano em outubro para 11,02% ao ano no mês passado.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com o TJ, que definiu que táxi não pode ser repassado como herança?