Publicidade

05 de Dezembro de 2013 - 07:57

Por João Villaverde e Adriana Fernandes - Agencia Estado

Compartilhar
 

Identificado como o autor intelectual de manobras contábeis para fechar as contas do governo Dilma Rousseff, o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, enfrenta resistências internas cada vez maiores entre seus auxiliares, incluindo os 11 coordenadores-gerais do órgão, responsáveis pela área técnica.

Uma apresentação com indicadores macroeconômicos e fiscais foi feita pelos coordenadores. A dificuldade para oferecer títulos no mercado a taxas mais baixas foi um dos principais temas, e o alvo da discussão.

Os coordenadores apontaram que o mercado "lê" o aumento constante dos juros nos papéis do Tesouro como "confirmação" de que o risco dos títulos brasileiros é alto. Assim, é criado um movimento que se retroalimenta. Arno defendeu a política fiscal do governo e disse que não compreendia as críticas de investidores relatadas por seus auxiliares.

Os técnicos apontaram dificuldades em cumprir metas do Plano Anual de Financiamento (PAF) no atual cenário, em que a taxa Selic está sendo elevada pelo Banco Central e voltou aos dois dígitos.

A grande preocupação da área de dívida do Tesouro é que a desconfiança do mercado com os indicadores brasileiros ganhe força caso as agências de classificação de risco rebaixem a nota brasileira, como já foi sinalizado pelas próprias agências, como a S&P. O PAF prevê uma parcela maior de títulos com juros prefixados, algo que o mercado evita em momentos de alta da Selic, quando papéis pós-fixados ficam atrativos.

Procurada, a Secretaria de Tesouro, por meio da assessoria de imprensa do Ministério da Fazenda, não se pronunciou sobre a insatisfação da equipe técnica com o secretário, mas afirmou que não há dificuldades na rolagem de títulos públicos no mercado.

No entanto, um dos principais papéis de remuneração prefixada, o NTN-F com vencimento em 2023, vem sofrendo aumento constante nas taxas de juros. A remuneração do papel tem como referência os juros negociados em mercado. A distância, que era de 33 pontos básicos no início do ano, vem se aproximando de 5 pontos.

"Há um clima negativo, muita gente inflamada no Tesouro", afirmou uma fonte qualificada, que destacou o fato de que Augustin ouviu a apresentação dos técnicos, concordou com alguns pontos, mas se contrapôs a outros. Os subsecretários ficaram quietos durante todo o encontro. Mesmo os mais próximos a Augustin.

A reportagem apurou que a divisão na instituição ficou evidente na reunião. Um grupo teme o contágio permanente da política fiscal no mercado de títulos públicos. Outro defende de forma entusiasmada as medidas tomadas desde 2012, quando a economia para pagar juros da dívida, o superávit primário, caiu drasticamente, para contrabalançar os efeitos da crise mundial nos últimos dois anos. As informações são do jornal

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com o TJ, que definiu que táxi não pode ser repassado como herança?