Publicidade

04 de Dezembro de 2013 - 08:37

Por Vítor Marques - Agencia Estado

Compartilhar
 

Considerado um dos grandes técnicos da história do Corinthians, Tite rompeu a barreira do status de comandante e foi alçado a posição de ídolo da torcida. Em sua despedida do Pacaembu, no sábado passado, cerca de 35 mil torcedores gritaram seu nome em reconhecimento aos títulos do Brasileirão, Libertadores e Mundial, entre outros, conquistados nos últimos anos.

Perto de deixar o clube, o técnico admite que a reação das arquibancadas o assustou. "Eu estou envergonhado, talvez não querendo ostentar, mas isso mostrou que daqui a pouco um técnico pode ser idolatrado. E isso me assusta, por dentro me assusta, um atleta, eu concebo. Estou um misto de orgulhoso e assustado", diz o treinador, em entrevista ao Estadão.

"Eu não chorei porque estava com vergonha, mas por dentro eu estava chorando, eu acenei para o torcedor, mas queria ganhar o jogo, queria terminar com uma vitória", revela Tite, consciente de sua importância para o clube. "Eu estou no hall daqueles cinco maiores, isso tenho consciência. Com cada um que falo, diz assim: 'cara, a Libertadores do jeito que foi nos redimiu'. E eu falo: 'não fui eu, foram os jogadores.' E eles falam: 'tu foi o técnico, nossa autoestima foi resgatada.'"

Para o treinador, o aguardado título da Libertadores em 2012 foi mais importante que a conquista do Mundial, no fim do mesmo ano. "Como resgate de orgulho próprio, sim, o marketing do Mundial foi extraordinário, ecoou mais que a Libertadores, para o Tite mundialmente ecoou mais, mas o valor, o contexto geral, para o torcedor, a Libertadores foi mais importante", diz.

Na avaliação de Tite, a forma como o título sul-americano foi conquistado será seu maior legado. "Vencer de forma leal e competente. Vencer sendo o melhor, competitivamente, tecnicamente, taticamente. Ganhamos a Libertadores e todo mundo dizia: 'ah, tem malandragem, tem cusparada, tem que ser avião, malandrão, fomos o mais disciplinado e campeão invicto. Pegamos o Emelec, spray de pimenta, expulsão, arbitragem no mínimo tendenciosa, escambau, a equipe matou no peito e superou. Esse é o legado".

FUTURO - Procurado por sete times - dois deles do exterior -, Tite ainda não sabe qual será o seu futuro depois do jogo de despedida no Corinthians, domingo. Mas já avisou que não se sentirá tentado diante de propostas milionárias. "Profissionalmente não busco o lado financeiro, já tenho uma vida, não vou modificar, quero um lugar em que eu esteja feliz e cresça profissionalmente", explica.

O treinador não esconde que chegar à seleção brasileira, possivelmente após a Copa do Mundo do próximo ano, é um dos seus objetivos. "Eu e mais uns 15 técnicos pensam nisso. Tenho consciência dos meus passos, sou um dos postulantes por tudo que construí, pelos trabalhos que me credenciam", afirma.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você é a favor da proibição de rodeios em JF, conforme prevê projeto em tramitação na Câmara?