Publicidade

19 de Dezembro de 2013 - 11:55

Por Julio Cesar Lima - Agencia Estado

Compartilhar
 

A Polícia Civil do Paraná prendeu na manhã de quinta-feira, em Curitiba, nove torcedores do Atlético-PR acusados de envolvimento na briga com vascaínos durante a partida entre as duas equipes na Arena Joinville, ocorrida no dia 8 de dezembro, pela última rodada do Brasileirão. A operação, batizada de Cartão Vermelho, está sendo realizada a pedido da polícia de Santa Catarina e em conjunto com policiais do Rio, que estão prendendo torcedores do Vasco.

Em Curitiba, foram expedidos 16 mandados de prisão preventiva, além de um mandado de busca e apreensão na sede da torcida organizada "Os Fanáticos", do Atlético-PR. Entre os mandados de prisão expedidos está o do ex-vereador e ex-superintendente da autarquia EcoParaná, Juliano Borghetti (PP), que em nota afirmou que se apresentaria à polícia acompanhado do advogado. Todos os presos deverão ser levados para a cadeia de Joinville (SC), local onde foi instaurado o inquérito. Eles são acusados de formação de quadrilha e tentativa de homicídio.

Segundo o delegado Clóvis Galvão, da Delegacia Móvel de Atendimento ao Futebol e Eventos (Demafe), que entregou uma lista com 28 nomes de envolvidos na briga para a polícia catarinense, ainda há a possibilidade de novas prisões serem realizadas, mas algumas pessoas já constituíram advogados e devem se apresentar. "Podemos ter mais prisões, porém, alguns advogados entraram em contato e disseram que as pessoas não precisarão ser presas e devem se apresentar à polícia", disse.

Clóvis Galvão explicou que o trabalho policial no Estado está sendo realizado em conjunto com as polícias de Santa Catarinense e do Rio. Depois, caberá à Justiça catarinense determinar o futuro desses presos. "Eles serão encaminhados para lá e irão aguardar a decisão da Justiça de Santa Catarina, pois o inquérito está sob a responsabilidade da polícia em Joinville", comentou.

Com relação ao ex-vereador, que não havia sido localizado em sua residência, havia a hipótese de que ele fugira para a Itália, onde mora sua ex-mulher, Renata Bueno, que é deputada pelo Parlamento italiano. Mas em uma nota divulgada pelo seu partido, o PP, ele explicou a situação e disse que vai se apresentar à polícia, acompanhado do seu advogado Claudio Dalledone.

"Ao contrário do divulgado na imprensa, estou na minha residência em Curitiba e vou me apresentar à Polícia Civil do Paraná para prestar esclarecimentos sobre os acontecimentos do dia 8 de dezembro na Arena Joinville. Refuto a informação de que estaria foragido e de que teria viajado para a Itália. Sempre estive à disposição das autoridades para esclarecer a minha participação no ocorrido", conclui o ex-vereador, que deixou o cargo de superintendente da autarquia EcoParaná após a briga.

Ao todo, serão cumpridos 20 mandados de prisão nos três Estados. Até então, apenas três torcedores tinham sido presos pelo envolvimento na violenta briga ocorrida no jogo entre Vasco e Atlético-PR. Detidos em flagrante no próprio dia 8 de dezembro, os vascaínos Leone Mendes da Silva, de 23 anos, Arthur Barcelos de Lima Ferreira, de 26 anos, e Jonathan Santos, de 29 anos, estão na Penitenciária Industrial de Joinville.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Rio vai conseguir controlar a violência até a Copa do Mundo?