Publicidade

10 de Dezembro de 2013 - 08:46

Por AE - Agencia Estado

Compartilhar
 

O Vasco vai tentar recorrer ao famoso 'tapetão' para se livrar do rebaixamento no Campeonato Brasileiro. Na noite de segunda-feira o clube decidiu que irá entrar com recurso no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) para ganhar os pontos da partida contra o Atlético-PR, domingo passado, vencida pelos paranaenses por 5 a 1 na Arena Joinville.

Nos planos da direção vascaína está conseguir ganhar os três pontos na justiça e assim chegar aos 47, ultrapassando o Criciúma, que seria a equipe rebaixada para a Série B. Outro beneficiado seria o Botafogo, que passaria o Atlético-PR, terminaria o Brasileirão em terceiro e teria assegurada vaga na fase preliminar do Brasileiro.

A possibilidade de 'tapetão' lembra o Brasileiro de 1999, quando o Botafogo se livrou do rebaixamento conseguindo, na Justiça, os pontos da partida em que levou 6 a 1 do São Paulo. Na época, venceu a tese de que o time paulista deveria perder os pontos da partida por ter escalado irregularmente o jogador Sandro Hiroshi, que havia tido a idade adulterada antes de chegar ao Morumbi.

Na época, o 'tapetão' fez o Gama ir à Justiça comum e conseguir paralisar o Campeonato Brasileiro. Como a CBF não podia organizar o torneio em 2000, o Clube dos 13 criou a Copa João Havelange. Não só o Botafogo não precisou jogar a segunda divisão como o Fluminense, que novamente está na Segundona, foi alçado diretamente da Série C à elite.

A alegação do Vasco para ir ao STJD é que a partida na Arena Joinville, paralisada por conta da briga entre torcidas organizadas dos dois clubes, foi retomada mais de 70 minutos depois, desrespeitando o Regulamento Geral de Competições da CBF, que determina um máximo de uma hora de pausa.

O Vasco vai tentar provar, no STJD, que o Atlético-PR, mandante da partida, era responsável pela segurança. E que foi a falta desta, por responsabilidade dos paranaenses, que fez o jogo atrasar. Além disso, os cariocas reclamam que Antônio Lopes, ídolo vascaíno e hoje diretor de futebol do Atlético-PR, pressionou o árbitro a continuar a partida. Os jogadores do Vasco, por sua vez, não teriam tido outra possibilidade senão voltar para o jogo (que já estava 1 a 0 para os donos da casa) por conta do temor de violência.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Rio vai conseguir controlar a violência até a Copa do Mundo?