Publicidade

03 de Dezembro de 2013 - 16:03

Por AE - Agencia Estado

Compartilhar
 

Wesley viveu em 2012 um de seus piores anos na carreira. Depois de sofrer uma grave lesão no joelho direito no primeiro semestre, o volante pouco participou da campanha do Palmeiras no Campeonato Brasileiro e não conseguiu evitar o rebaixamento para a Série B. Em 2013, no entanto, o jogador deu a volta por cima. Um dos destaques da equipe no ano, ele não escondeu a felicidade por ter vencido a contusão e por ter sido fundamental na campanha que culminou com o título da segunda divisão nacional.

"Tudo na nossa vida é aprendizado. Deus coloca os obstáculos para serem superados. Passei por muita coisa aqui já, participei da queda, mesmo não podendo atuar muito, e tive, sim, uma parcela de culpa. E agora, poder comemorar este fim de ano com meus companheiros, é fruto do trabalho. Fico feliz por tudo isso e não quero parar. Quero fazer muita história aqui e com muitos títulos. O Palmeiras, a entidade em si, é muito grande. Nós, jogadores, temos de procurar deixá-lo na melhor posição possível, brigando e ganhando títulos. Penso em fazer muita coisa ainda pelo clube", disse, ao site oficial do Palmeiras.

Mesmo em 2013, Wesley viveu altos e baixos. No começo do ano, ainda sentindo falta de ritmo por conta da lesão no joelho e atuando improvisado como meia, o jogador teve uma sequência de más atuações e foi muito criticado pela torcida. Já na Série B, voltou à posição de origem, e foi assim que se tornou fundamental para a equipe.

"Muita gente não sabe, mas, quando você tem uma grave lesão, é difícil voltar. Não é só retornar, você tem de se recuperar 100%. Ou seja, é só jogando para sua perna ficar com um equilíbrio igual", comentou. "Eu tentei ajudar da melhor maneira. Mas sempre deixei bem claro que a posição que eu mais gosto de atuar é como segundo volante, ajudando a marcar e saindo para o jogo. Graças a Deus deu tudo certo."

Wesley terminou a temporada com sete gols marcados (todos na Série B) e como o jogador com mais assistências da equipe: dez, ao lado de Valdivia. Agora, ele só pensa em manter o bom momento para representar bem o Palmeiras em 2014, ano do centenário do clube. "É um desafio enorme representar o Palmeiras, com a história que tem, em um ano de centenário. Vamos descansar este final de ano e tomara Deus que a gente volte com tudo em 2014", disse.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você tem percebido impacto positivo das operações policiais nas ruas da cidade?